Museu do Índio Portal Brasil CGU - Acesso à Informação
Trocar cores de fundo Fundo branco Fundo cinza Fundo marrom Fundo vermelho Fundo amarelo Fundo verde
KP_MXK_FT_jan2010_img_vitrine_jogos (52).jpg
Página Inicial > Notícias > Retorno de Mídia > Documentos apontam violações de terras indígenas na ditadura

Retorno de Mídia

CDH debate Relatório Figueiredo, que apontou crimes cometidos pelo Estado contra os índios brasileiros

22 de Maio de 2013
Da Redação
A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) iniciou há pouco a audiência pública com o objetivo de debater o Relatório Figueiredo, documento de mais de 7 mil páginas que denunciou ataques contra indígenas, praticadas por agentes públicos e privados nos anos 1960. A comissão também debaterá os reflexos dessa violência na atual situação indígena no país.

A realização atende a requerimento do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e da senadora Ana Rita (PT-ES), que preside a comissão.
O Relatório Figueiredo, preparado em 1967, foi dado como desaparecido por mais de 40 anos. Ficou conhecido assim por conta do seu autor, o procurador Jáder de Figueiredo Correia, que investigou o assunto no final a pedido do então ministro do Interior, o general Albuquerque de Lima.
Entre as atrocidades descritas estão diversos tipos de tortura, como a trituração de tornozelos de índios, caçadas humanas com metralhadoras, doações de açúcar com veneno e até matança de tribos inteiras.
Participam, entre outros, representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Foram ainda convidados uma das integrantes da Comissão Nacional da Verdade, Maria Rita Kehl, que irá examinar o documento, além do jornalista Felipe Canedo e da antropóloga Patrícia de Mendonça Rodrigues. Completa a lista o vice-presidente do grupo Tortura Nunca Mais-SP, Marcelo Zelic, um dos pesquisadores que descobriram o relatório há cerca de um mês no Museu do Índio, no Rio de Janeiro.

© Direitos reservados Museu do Índio - FUNAI